JC OnLine

Por Júlio Rebelo

Em meio aos carros, verdadeiros exemplos de persistência e vitória podem ser vistos diariamente nas ruas e avenidas do Recife. Quem trabalha sobre os pedais sabe da luta que é ganhar o pão de cada dia dividindo o asfalto entre os automóveis. São entregadores de jornais, de frutas, de água e gás, profissionais que conhecem bem o tráfego, já que começam suas atividades nas primeiras horas do dia e seguem até a noite, em jornadas que muitas vezes superam oito horas diárias de trabalho.

O entregador de mercadorias Robson de Melo trabalha há 19 anos em cima de uma bicicleta em um depósito de bebidas. Robson afirma que o trânsito piorou bastante com o passar do tempo, o que, segundo ele, só aumenta a eficiência da bike. "Antes eu ainda via várias ruas vazias, hoje é quase impossível presenciar uma sem carro. Por isso, faço minhas entregas pedalando. É muito mais rápido”, afirma. Do local de trabalho, no bairro Ponto de Parada, na Zona Norte do Recife, até os Aflitos, o entregador gasta em torno de sete a dez minutos.




Unanimidade como crítica entre os adeptos da bike e aqueles que gostariam de usar mais a bicicleta está o quesito insegurança. Dados de pesquisa ocorrida em 2012, disponibilizados pela Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife (Ameciclo), revelam que mais de 89% dos 623 entrevistados não se sentem seguros em trafegar pelas ruas do Recife. A malha cicloviária da cidade praticamente não existe - são apenas 25 quilômetros de ciclovias permanentes.

"Muitos motoristas veem os ciclistas como intrusos no trânsito, sem respeitar o espaço de quem pedala", afirma o entregador Robson de Melo. Ele conta que já quebrou várias garrafas em uma entrega para não sofrer nenhum ferimento. "Certa vez, precisei fazer uma manobra rápida para evitar uma colisão e acabei me desequilibrando. O engradado foi ao chão, mas o prejuízo financeiro não é nada se comparado com o que eu iria sofrer com a batida", observa.

Por Júlio Rebelo

Com tantas obras, a cidade do Recife cada vez mais sofre com o trânsito caótico. São intervenções nas tubulações de esgoto, serviços de recapeamento e alterações em avenidas para priorizar o transporte coletivo. Com isso, o tráfego que já era brutal em dias normais passa a ficar completamente estrangulado em determinadas vias e horários. De norte a sul da capital pernambucana, o desafio é encontrar uma rua em que o trânsito esteja fluindo.

Com tantas mudanças no dinamismo da mobilidade urbana, cresce a busca por soluções práticas que garantam o menor gasto de tempo nos deslocamentos. Há gente saindo duas horas mais cedo de casa, deixando o carro na garagem, usando o metrô, comprando moto ou alugando bicicleta. Essa última alternativa é considerada modal perfeita para ser utilizado nas ruas do Recife. De acordo com dados da pesquisa da Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife (Ameciclo), apenas 13% dos homens dizem que vão ou iriam ao trabalho de bicicleta. Esse número é bem distante da realidade feminina - apenas uma a cada 100 mulheres confirma esta opção.





A bicicleta é fundamental na vida de quem optou pela locomoção em duas rodas, sem motor. O produtor cultural Francisco José Sobreira de Matos faz parte dos 10,5% dos homens que, de acordo com a pesquisa da Ameciclo, trocou o carro pela bicicleta para ir ao trabalho. Ele mora na Ilha do Leite, próximo à Praça Chora Menino, trocou o ônibus pela magrela e não se arrepende. "Apesar do trânsito intenso e falta de cordialidade dos motoristas, as vantagens são insuperáveis, com ganho principalmente no tempo. Antes eu perdia mais de uma hora para chegar à Universidade Federal de Pernambuco, e hoje, de bicicleta, gasto, no máximo, 40 minutos", destaca.

Francisco faz diariamente o percurso de casa até o trabalho, na área central do Recife. "Percorro os três quilômetros que separam o lugar de onde moro, na Ilha do Leite, até a Boa Vista em dez minutos. Mas poderia ser mais rápido se não houvesse tantos obstáculos nas vias”, conta. “A Rua do Riachuelo é um dos piores trechos. Além dos ambulantes ocupando as faixas de rolamento, táxis ficam parados, caminhões fazem descarrega irregularmente e carros estacionados em local proibido", lamenta o produtor cultural.

Por Adriana Oliveira

Ganhar tempo no trânsito, economizar, praticar uma atividade física e cuidar da saúde. Esses são alguns dos benefícios reais de quem escolhe trocar o carro pela bicicleta. O veículo de duas rodas ainda evita o estresse dos intermináveis engarrafamentos, espanta o sedentarismo e previne doenças. Apesar das vantagens, muita gente ainda coloca dificuldade em trocar o conforto do carro pelas magrelas. O resultado está nos números.

Levantamento realizado pela Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife (Ameciclo) apontou que, dos recifenses que utilizam a bicicleta para se locomover para o trabalho, apenas 10,17% optaram por motivos de saúde. As maiores dificuldades apontadas pelos entrevistados estão relacionadas a fatores como falta de estrutura, medo do trânsito, insegurança e falta de educação dos motoristas. O coordenador da Ameciclo, Érico Andrade, defende ser possível andar de bicicleta em Recife e esclarece que pedalar incide diretamente no bem estar de seus usuários. “A prática do ciclismo melhora não apenas o corpo e mente como é o meio de transporte mais favorável para um planeta mais sustentável”, defende.

Os proveitos proporcionados pelo pedal são relatados pelo advogado Rodrigo Veras Sobral, 42 anos. Embora não use a bike para ir trabalhar, decidiu pedalar em favor da saúde após descobrir um câncer no fêmur em 2010. A necessidade de se exercitar para recuperar a musculatura da perna impulsionou a escolha pelo modal. Com o tempo, a prática trouxe outros benefícios. Rodrigo perdeu 20 quilos, melhorou do problema de hipertensão e regularizou a glicose.

O profissional de educação física e fisiologista Claudio Barnabé afirma que esses tipos de benefícios são reais. “Como atividade aeróbica, a prática do ciclismo gera perda de peso, ajuda a equilibrar a pressão e os níveis de triglicérides, melhora o condicionamento cardiovascular, além de sociabilizar os indivíduos”, afirma o professor.



As vantagens de usar a bicicleta

Emagrece
Combinadas a uma dieta saudável e com baixas calorias, as pedaladas auxiliam no controle de peso, favorecem o emagrecimento e contribuem com a redução da gordura corporal
Bom sono
Pedalar promove o relaxamento, pois estimula a liberação das endorfinas, que geram satisfação. O exercício aumenta também os níveis de serotonina no sangue, o conhecido hormônio da felicidade, ajudando no bem estar e promovendo um sono saudável
Reduz colesterol e triglicérides
Pedalar ajuda a diminuir o chamado colesterol ruim (LDL), evitando doenças
Bom para o coração
Uma rotina de pedal evita a formação da placa aterosclerótica, que leva à angina e ao infarto agudo do miocárdio
Controle da pressão arterial
Pedalar com frequência tonifica os vasos sanguíneos (artérias e veias), contribuindo para a diminuição da pressão arterial
Melhora a Respiração
As pedaladas melhoram a oxigenação dos pulmões e dos tecidos
Garante boa forma
Além de emagrecer, a prática do ciclismo tonifica os músculos das pernas e aumenta o desempenho aeróbico Conheça as desvantagens dos carros

As desvantagens de andar de carro

Obesidade
O conforto do carro torna muitas pessoas sedentárias. As pessoas que optam apenas pelo carro apresentam um maior índice de obesidade e gordura corporal
Estresse
Ficar muito tempo no trânsito, preso nos congestionamento, eleva os níveis de estresse
Poluição
Além de poluir o meio ambiente, expõe seus usuários e demais pessoas ao poluente. Os resultados são doenças respiratórias
Acidentes
O risco que o carro oferece de acidentes é ainda bem maior, deixando pedestres e ciclistas mais vulneráveis

Mas não basta apenas conhecer as vantagens e sair pedalando de qualquer maneira pela cidade. Como qualquer atividade física, o ciclismo deve ser praticado com bom senso e regularidade. “Muitas pessoas passaram a pedalar nos finais de semana de lazer. No entanto, para surtir efeitos positivos à saúde, os exercícios devem ser realizados pelo menos três vezes por semana, com duração de 30 minutos a duas horas. Outro fator importante é cuidar da alimentação, hidratação e proteção contra os raios solares”, completa Barnabé.

As Ciclofaixas de Turismo e Lazer impulsionaram o uso das bicicletas com mais frequência. Muita gente começou a pedalar e perceber que a bicicleta pode ser utilizada não apenas para o lazer, mas como instrumento para cuidar do corpo. “A sociedade mudou. Voltar à cultura da bicicleta é fundamental, principalmente ao coração”, defende o clínico geral e especialista em cardiologia José Galindo.O ato de pedalar melhora o ritmo cardíaco, fazendo com que a pressão arterial diminua. Outro fator positivo é a redução do colesterol LDL, conhecido como o mau colesterol, impedindo que vasos sanguíneos calcifiquem. No caso do HDL, conhecido como bom colesterol, aumenta. O resultado é a conservação dos vasos sanguíneos.

Mas os benefícios não são apenas no coração. Costas também são contempladas, mas, para isso, é necessário ficar atento à postura correta no selim ou sela. Quando se encontra desajustado, pode ocasionar dores, pois o ciclista coloca mais peso entre os três pontos (guidão, selim e pedais). A postura ideal para a sela é na altura da crist iliaca, conhecida popularmente como quadril. A atividade também previne aparição das hérnias de disco, pois o movimento regular das pernas fortalece a região lombar, deixando os músculos mais tonificados. Para lazer, transporte diário ou como ferramenta para realizar atividade física a bicicleta é o melhor modal para quem procura mais qualidade de vida.

Por Adriana Oliveira

No passado, foi objeto de desejo de muitas crianças e proporcionou bons momentos de lazer. Com o tempo, foi sendo trocada por outras opções de diversão. O trânsito hostil, falta de estrutura e educação, além da insegurança, integram os argumentos da bicicleta ter sido aposentada na garagem.

A implantação das Ciclofaixas de Turismo e Lazer no Recife, no início deste ano, parece ter dado uma nova chance às magrelas. “O projeto das ciclofaixas foi uma semente plantada na sociedade para ser usada não só para lazer, mas para garantir saúde e uma vida mais saudável. A intenção é expandir o projeto e incentivar o uso das bicicletas não apenas aos domingos, mas no dia a dia”, declara o secretário municipal de Turismo e Lazer, Felipe Carreras.

Ao todo, os recifenses contam, durante os finais de semana e feriados, com três rotas para pedalar e conhecer a cidade. As rotas Norte e Sul possuem 25,5 quilômetros, passam por 19 ruas e avenidas que ligam a Zona Sul à Norte do Recife. Já a terceira rota, inaugurada no mês de julho, tem dez quilômetros de extensão. Começa na Lagoa do Araçá, na Imbiribeira, e segue até o Marco Zero, no Bairro do Recife.

Além de reunir as famílias e proporcionar uma atividade diferenciada no final de semana, as rotas proporcionam aos ciclistas uma excelente oportunidade de conhecer os principais pontos turísticos da cidade sobre duas rodas.

Rotas das Zonas Norte e Sul

Parque da Jaqueira
O Parque é um espaço destinado à prática de esportes, às atividades culturais e à contemplação. Além de ser um sítio histórico, cujo ponto principal é a capela de Nossa Senhora da Conceição de Ponte d'Uchôa, conhecida mais popularmente por Nossa Senhora da Conceição da Jaqueira, em alusão às frondosas árvores que a circundavam.
Museu do Estado
Com 80 anos de existência e uma estrutura arquitetônica do século 19, o museu possui vasto acervo com peças marcantes da histÓria de Pernambuco. O palacete, localizado na bairro das Graças, conta com mais de 14 mil itens relacionados à arqueologia, cultura indígena, presença holandesa em Pernambuco, arte sacra, cultura afro-brasileira, ex-votos, iconografia, mobiliário, porcelana, cristais e pintura com telas de artistas como Cícero Dias, Telles Júnior, Francisco Brennand e Burle Marx.
Parque Treze de Maio
Situado no bairro de Santo Amaro, o parque é um excelente local para quem deseja realizar uma caminhada. O espaço também possui espaços destinados às crianças e fica próximo a edifícios de grande relevância para a vida cívica e cultural da Cidade, a exemplo da Faculdade de Direito, da Câmara de Vereadores e da Biblioteca Pública Estadual, além da Assembleia Legislativa.
Central do Artesanato
O centro localiza-se no Marco Zero, no Bairro do Recife. O ponto funciona com loja, peças de artesanato de todas as regiões do Estado; espaço gastronômico e galeria de exposição.
Marco Zero
É o local onde Recife nasceu e serve como ponto inicial das estradas de Pernambuco. O local é oficialmente denominado Praça Barão do Rio Branco. No local, o ciclista tem a oportunidade de realizar a travessia de barco para o Parque das Esculturas Francisco Brennand. De lá, os ciclistas chegam até o Pina, podendo a usar a segunda rota das ciclofaixas de lazer.
Ponte do Pina e Cais José Estelita
O ciclista pode seguir pela ciclovia de Boa Viagem e seguir pela Ponte do Pina e passar pelo Cais José Estelita. O cais liga o bairro do Cabangá ao de São José. Seguindo pelo cais, é possível conhecer uma série de galpões da extinta Rede Ferroviária Federal. Além de contemplar, nos bancos espalhados pelo cais, a paisagem da bacia do Pina.

Rotas da Zona Oeste

Lagoa do Araçá
Inaugurada em 1995, é a única lagoa natural da cidade. Seu principal atrativo é a beleza natural rodeada de mangue, além de aves de várias espécies.
Pontes da Boa Vista e Mauricio de Nassau
Típica da paisagem urbana da cidade e com uma bela arquitetura, a ponte da Boa Vista liga a Rua Nova, no bairro de Santo Antônio, à Rua da Imperatriz, no bairro da Boa Vista. Quando foi construída, em 1640, por Mauricio de Nassau era toda de madeira. Anos mais tarde, a ponte foi reconstruída e recebeu gradis de ferro. A ponte possui brasões imperiais no alto. E em todas elas há data que são uma síntese da história de Pernambuco e do país. Já a ponte Mauricio de Nassau interliga os bairros do Recife e Santo Antônio e é considerada a primeira ponte de grande porte do Brasil e a mais antiga da América Latina. Possui grandes estátuas de bronze e duas placas que contam sua história.
Igrejas Matriz da Boa Vista, Conceição dos Militares e de Santo Antônio
O templo da Boa vista, na Praça Maciel Pinheiro, tem como uma de suas características a ausência de imagens no altar, apenas o Cordeiro de Deus e o Santíssimo Sacramento. A igreja da Conceição dos Militares, no bairro de Santo Antônio, chama atenção pelos ricos acabamentos no interior. Já uma das características da igreja de Santo Antônio é o estilo barroco colonial - a construção foi iniciada em 1753 e concluída em 1790 e foi dedicada a Santo Antônio. A igreja está localizada em volta da Praça da Independência, no bairro de Santo Antônio, outro ponto turístico da cidade.
Casa da Cultura
Prédio tombado como Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco, já funcionou como penitenciária durante 118 anos. Hoje é ponto obrigatório para os turistas e abriga uma variedade de artesanato de mais de 149 municípios de Pernambuco.

A vontade de pedalar levou muita gente a procurar alternativas além dos dias das ciclofaixas. Os grupos de ciclistas, que já costumavam realizar passeios na cidade, além de viagens e trilhas, ganharam mais adeptos. “Desde o lançamento das ciclofaixas, a procura pelos passeios cresceu. O número de pessoas pedalando nas terças e quartas é surpreendente. Já cheguei a sair com um grupo com mais de 200 pessoas”, relata o diretor da Cicloadventure, Alcides Neto.

O advogado Rodrigo Cantarelli, 29 anos, costumava usar a bike, raras vezes, para ir até a padaria. Com o início das ciclofaixas, a programação do fim de semana mudou. Pedalar virou parte da rotina não apenas nos domingos, mas com grupos de ciclistas. “Virou uma moda pedalar nos finais de semana e uma programação diferente. Os encontros do sábado à noite com os amigos foram transferidos para os domingos pela manhã. E durante a semana ainda participo de um grupo de pedal”, conta.

Na Região Metropolitana do Recife (RMR) e em todo o Estado, os grupos se reúnem semanalmente para realizar passeios e até viagens. O empresário Manoel Caciano, 42, pedala há dois anos e participa do grupo Ciclo Turismo, da cidade de Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste. O grupo passeia por dentro de fazendas e o percurso chega a até 35 quilômetros. “A ideia inicial era relaxar e se exercitar. Desde que comecei a pedalar, me sinto com mais disposição, bem estar e pernas mais fortes. Sem contar que é um momento agradável com os amigos”, afirma.

A vantagem dos grupos de ciclistas costuma ser a segurança. Outro fator positivo é o carro de apoio e o auxilio mecânico, além da companhia de outros ciclistas para fazer novas amizades e compartilhar as boas experiências que o ciclismo proporciona:

Conheça os principais Grupos da RMR

O Ciclo Adventure
O grupo faz passeios há oito anos pelo Recife. As terças e quintas-feiras são dedicadas aos iniciantes, com saída do Parque da Jaqueira, na Avenida Rui Barbosa, ao lado da Capela de Nossa Senhora da Conceição, às 20h30. É cobrada uma taxa de R$ 2 por ciclista. A pedalada para intermediários acontece toda quarta-feira, com concentração e saída na Praça de Casa Forte, às 20h30. Nesse dia a taxa é de R$ 10 e o número limite de participantes é 40 . www.cicloadventure.com.br
Pedala Olinda
Formado pela Associação dos Ciclistas Amadores da Cidade de Olinda. Os passeios acontecem às terças e quintas-feiras, com concentração no quiosque em frente ao bar Capitania, antigo bar do Zé Pequeno, Bairro Novo. No passeio realizado às quintas-feiras, batedores da Secretaria de Transportes, Controle Urbano e Ambiental (Seplama) e da Polícia Militar acompanham o grupo. Serviço de carro de apoio e mecânico é oferecido aos participantes. O passeio para ciclistas avançados acontece aos domingos. www.pedalaolinda.com
Pedal 100
O passeio acontece todas as terças-feiras, com saída às 20h da Praça 12 de Março, em Olinda; para os ciclistas intermediários, acontece nas quintas-feiras. Além dos passeios de rotina, o grupo também realiza trilhas para iniciantes e intermediários quinzenalmente, aos sábados e domingos. Para participar do grupo é necessário realizar um cadastro no site e comprar a camisa do grupo no valor de R$ 10. www.pedal100.com.br
Amigos para Sempre (APS)
Sem cobrança de taxa, o grupo se reúne aos domingos, às 8h, no Parque da Jaqueira. Para participar, o ciclista deve comparecer no horário com capacetes e luvas. O grupo visa a realizar passeios leves pela cidade com o intuito de conhecer os pontos turísticos do Recife. aps-amigosparasempre.blogspot.com.br
Pedal Clube de Pernambuco
Existe desde 1987. Os passeios não têm horários nem locais fixos. Os interessados devem realizar um cadastro no site do grupo para receber as informações sobre os dias de pedal e locais de concentração. www.pedalclube.com.br
Pedalando com Tatu
O grupo faz passeios noturnos com saída de Boa Viagem. A concentração é ao lado do estacionamento do Shopping Recife, próximo ao Mc Donald’s, às 20h, sempre às terças e quintas-feiras. Os participantes podem conferir os passeios promovidos e os trajetos através do grupo no Facebook. facebook.com/pedalandocomtatu
Comente esta matéria
Sistema Jornal do Commercio de Comunicação
© Copyright © 1997-2011, SJCC - Sistema Jornal do Commercio de Comunicação - Recife - PE - Brasil
Grupo JCPM