A segunda vez de Pernambuco

Imagem de obras da Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata, palco da Copa 2014 no Brasil e possivelmente também da Copa das Confederações | Imagem: Eduardo Martino/Odebrecht/Divulgação

Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata, está muito bem encaminhada para a Copa de 2014,
mas requer aceleração para Copa das Confederações em 2013. Em miniatura, projeção final.

Dois dias antes da estreia do Recife em Copas do Mundo, o prefeito Morais Rêgo e o governador Barbosa Lima Sobrinho inauguraram a Ponte do Derby, situada perto do estádio da Ilha do Retiro, que receberia o jogo entre Chile e Estados Unidos. Uma informação antes que se pense ser uma obra concluída em cima da hora: os fatos apenas coincidiram. Naquela época, a cidade fazia as suas obras independentemente de quaisquer eventos esportivos, que tinham bem menos repercussão. Situação completamente diferente da atual. A Zona Metropolitana do Recife não vai receber só a Copa do Mundo: já começou a passar por diversas obras de infraestrutura que, sem o Mundial, demorariam muito mais para sair do papel.

Imagem das obras de construção do Ramal Cidade da Copa. Foto: JC Imagem

Construção do Ramal Cidade da Copa, via fundamental para o acesso à Arena Pernambuco, está bastante atrasada para a Copa das Confederações, apenas 12% concluída. Orçada em R$ 131 milhões, tem como prazo final fevereiro de 2013. Desapropriação de casas foi o entrave.

Os investimentos públicos em Pernambuco relacionados com a Copa do Mundo e a Copa das Confederações já atingem a estimativa de R$ 2,2 bilhões, entre recursos locais, orçamento federal e financiamento federal. A maior parte desse valor - R$ 1,4 bilhão - será empregado nas obras consideradas prioritárias para o Estado receber os eventos. Obras que vão desde a duplicação da BR-408, que é um dos caminhos para o estádio, e a Construção da Estação de Metrô Cosme e Damião, a mais próxima da Cidade da Copa, até o Corredor Norte-Sul e a Via Mangue, que estão bastante distantes mas dizem respeito à mobilidade urbana na Região Metropolitana do Recife.

Também com recursos proporcionados pelo plano federal para a Copa 2014, recebem obras o Aeroporto e o Porto do Recife, bem como serão erguidos o Centro de Comando e Controle Integrado (CCCI) e o hospital público estadual Pelópidas Silveira (HPS), no bairro do Curado, voltado para pacientes do SUS. Será o local de atendimento mais próximo do palco da Copa 2014.

"Grande parte desses projetos já existiam, mas não tinham a oportunidade de serem executados porque não havia linha de financiamentos específicos", diz Ricardo Leitão, secretário extraordinário da Copa de 2014 do Governo de Pernambuco.

O Governo já admite que o total de investimento público no Estado pode chegar nos R$ 3 bilhões. "Ainda precisa acrescentar os custos de instalações temporárias e os custos de serviços públicos necessários durante a Copa das Confederações e a Copa do Mundo", diz Leitão.

Quanto ao avanço das obras de infraestrutura, das 18 obras prioritárias, quatro estão praticamente concluídas, uma está na faixa dos 80% de execução e o restante não chegou nem na metade. O maior atrasso é o da construção do Ramal Cidade da Copa, previsto para fevereiro de 2013 e orçado em 131 milhões, mas ainda na faixa dos 12% de execução.

MISSÃO: COPA CONFEDERAÇÕES

Jérôme Valcke. Foto: Rodrigo Lôbo/JC Imagem

"A Arena está com 43% de conclusão, portanto há muito trabalho para finalizar os 57% restantes. Mas Pernambuco foi aprovado para a Copa das Confederações e confiamos que em novembro virá a confirmação", afirmou o secretário geral da Fifa, Jérôme Valcke, em visita à arena no dia 26 de junho

Já incluída na conta dos R$ 2,2 bilhões, a Arena Pernambuco, orçada atualmente em R$ 532 milhões, terá um custo maior, uma vez que o Governo decidiu acelerar as obras do estádio para receber a Copa das Confederações em 2013, com o prazo encolhido de dezembro para fevereiro. Será feito um reequilíbrio econômico-financeiro no contrato de PPP entre o Governo e o consórcio responsável pela arena. Ainda não se sabe quanto terá de ser gasto a mais — isso será avaliado por uma empresa de auditoria. O Governo está passando um cheque em branco, acreditando como algo necessário para potencializar o ganho de imagem e turismo antes mesmo de 2014.

O secretário geral da Fifa, Jérôme Valcke, esteve no Recife na última terça-feira (26) e mostrou cautela quanto à preparação de Pernambuco para receber a Copa das Confederações. Ele ressaltou que ainda falta muito para a conclusão, mas diz confiar na solução.

"A Arena está com 43% de conclusão, portanto há muito trabalho para finalizar os 57% restantes. Mas Pernambuco foi aprovado para a Copa das Confederações e confiamos que, em novembro, virá a confirmação", afirmou Valcke. Além de prometer monitoramento constante, disse que será o primeiro a vir a público externar o corte de alguma cidade caso a Fifa detecte risco iminente de atraso.

De fato, Pernambuco se propôs um desafio. No entanto, ao relembrar a batalha encampada para receber a Copa em 1950, fica mais fácil entender a nova luta e acreditar no sucesso. Como é enxerido este Pernambuco, danado a querer fazer história.

Ilustração com vista superior do que deverá ser construído na Cidade da Copa até 2025. A arena será apenas o pontapé inicial

Ilustração do que deverá ser construído na Cidade da Copa até 2025.

CIDADE DA COPA É O DIFERENCIAL

Das 12 subsedes da Copa 2014, Pernambuco é a que tem o projeto mais ambicioso. A intenção do governo para a chamada Cidade da Copa é criar um novo polo urbano, um bairro moderno que possa desenvolver o Oeste da Região Metropolitana do Recife – única parte que não se encontra saturada em termos de ocupação.

Maquete 3D da Arena Pernambuco. Vídeo de divulgação da Odebrecht, líder do consórcio que administrará a Copa do Mundo em Pernambuco

A Cidade da Copa terá estruturas destinadas a moradia, entretenimento, educação (campus da Universidade de Pernambuco), além de escritórios e torres comerciais. Tudo planejado na concepção de “smart city”, a primeira da América Latina, provida dos sistemas mais modernos de tecnologia de informação e de comunicação. O planejamento é ter 80 mil moradores, aproximadamente a população atual de Serra Talhada, a 14ª cidade com mais habitantes do Estado.

“A Cidade da Copa é o maior legado que a Copa vai deixar no Brasil. Porque, nas outras onze cidades, está se construindo ou se reformando estádios de futebol. Em nenhuma outra cidade tem nada parecido com um projeto com essa dimensão”, diz Ricardo Leitão, secretário da Copa em Pernambuco.

O desenvolvimento da região ocorrerá em quatro etapas, até depois de 2025. A promessa para o Mundial é que estejam prontas as construções de entretenimento (estádios e arena indoor), segurança, campus universitário, um hotel e parte das estruturas de comércio e varejo.

O fato de o estádio estar situado longe do Centro do Recife agradou ao secretário geral da entidade, Jérôme Valcke, em visita à Arena Pernambuco no dia 26 de junho. "Fora da cidade é mais fácil para se adequar ao que necessitamos para a Copa do Mundo, como hospitalidade e instalações de televisão. De certa forma, até prefiro que seja fora da cidade", declarou.