Fla-Flu ajudou a trazer a Copa ao Recife

A Ilha do Retiro só foi confirmada para a Copa de 1950 aos 45 minutos do segundo tempo. No entanto, o sonho de ver o estádio como palco do Mundial começou a ser forjado três anos antes. Um fato ocorrido em 1947, de grande importância na época, mas posteriormente esquecido pela memória do futebol pernambucano, foi a realização de um jogo entre os cariocas Flamengo e Fluminense na Ilha do Retiro, com a presença da imprensa nacional e da Confederação Brasileira de Desportos (CBD), antiga CBF.

O JOGO

Título da matéria do Jornal do Commercio sobre o Fla-Flu de 1947 na Ilha do Retiro

"(...) Decorriam 11 minutos de luta, quando Newton falhou ao rebater uma bola, que foi cair ao alcance de Simões. O centro avante tricolor, diante da oportunidade magnífica, fuzilou, de modo a tolher qualquer tentativa de defesa por parte de Luiz, inaugurando assim o marcador: 1 x 0 para o "Fluminense", score com que foi encerrada a primeira fase."

"(...) Quando faltavam sete minutos para o término da luta, o "tanque" rubro-negro, rompendo obstáculos, conseguiu de cabeça o tento tão desejado para igualar a contagem no marcador. Perácio aproveitou um momento oportuno para lançar o golpe que evitaria a derrota do seu clube. E isso o conseguiu, já ao apagar das luzes do "Fla-Flu". O empate foi bem o reflexo da ação dos dois quadros, pois a vantagem obtida por cada equipe correspondeu ao período do melhor desempenho de cada um"

Escudos do Flamengo e do Fluminense

Ficha do jogo:

Flamengo 1 x 1 Fluminense

Flamengo: Luiz; Newton e Norival;
Biguá, Bria e Jayme; Adilson, Tião, Pirilo, Jair e Vevé (Perácio).
Fluminense: Robertinho; Gualter e Haroldo; Pascoal, Telesca e Bigode; Amorim, Ademir, Simões, Orlando e Rodrigues.

Local: Ilha do Retiro. Árbitro: Argemiro Félix (Sherlock)
Gols: Simões (Fluminense), aos 11 minutos do primeiro tempo; Perácio, Flamengo, aos 38 minutos do segundo tempo.
Fonte: Jornal do Commercio, 15 de julho de 1947.

Visto como o maior clássico do Brasil naquela época (e, para muitos, até hoje), o Fla-Flu aconteceu pela primeira vez em solo nordestino no dia 13 de julho de 1947, com o resultado de 1 a 1, em um quadrangular amistoso organizado pelo Sport, tendo como quarta equipe o Santa Cruz. O jogo foi um grande acontecimento na cidade, com direito a pontapé inicial do prefeito Clovis Castro, às 15h35, como registrou precisamente o Jornal do Commercio. O Fla-Flu foi a semente da entrada do estádio na Copa de 1950, porque, pela primeira vez, mostrou que a Ilha era capaz de sediar um evento de grande porte.

O dia do confronto foi muito aguardado, como destacaram os jornais pernambucanos. "A iniciativa algo arrojada do 'Sport Club do Recife', de fazer realizar no estádio da Ilha do Retiro, o mais tradicional clássico do 'football' brasileiro — o Fla-Flu — vai proporcionar ao nosso mundo desportivo o mais empolgante espetáculo pebolístico de que há memória nos anais do desporto pernambucano", antecipou o Jornal do Commercio no dia da partida.

Matéria do Jornal do Commercio no dia do Fla-Flu anunciando o confronto

"Pernambuco viverá amanhã um de seus maiores dias, na história do futebol, com a realização da sensacional peleja entre as equipes representativas do Flamengo e do Fluminense, do Rio de Janeiro. Será um autêntico "Fla-Flu", transportado para o estádio da Ilha do Retiro, fato inédito na nossa vida esportiva, que decerto ficará gravado na memória de todos, como o maior acontecimento do nosso futebol. (...) Assim é o 'Fla-Flu', que vamos presenciar amanhã, duas sílabas mágicas que absorvem todas as atenções esportivas do Brasil", derramou-se o Jornal Pequeno, ao apresentar o jogo, um dia antes, em 12 de julho de 1947, pois o jornal não circulava aos domingos.

A equipe do Fluminense contava com dois grandes jogadores nascidos e formados no Recife: o atacante Ademir de Menezes, revelado pelo Sport e futuro artilheiro da Copa do Mundo 1950, e o meio de campo Orlando Pingo de Ouro, que surgiu no Náutico e jogou por nove anos no Tricolor carioca, com 186 gols em 310 partidas. Também atuou naquela tarde Bigode, que iria ser apontado por muitos como um dos responsáveis pela derrota para o Uruguai na trágica final de 1950 - ele teria falhado na marcação, permitindo o gol do título uruguaio. O principal destaque do Flamengo era Jair Rosa Pinto, meia que jogou por vários anos na Seleção. Todos os quatro foram campeões do Campeonato Sul-Americano de 1949.

Arsênio Meira de Vasconcellos Neto. Foto: Rodrigo Lôbo / JC Imagem

Ex-presidente do Sport, Arsenio Meira de Vasconcellos Neto conta que o seu pai, José Lourenço, bancou a realização do Fla-Flu

O AVALISTA - Um dos personagens importantes para a realização do Fla-Flu foi José Lourenço Meira de Vasconcelos. Rubro-negro apaixonado, praticamente bancou a realização do quadrangular com os times cariocas, aproveitando o fato de que ambos estavam fazendo excursões pelo Nordeste, embora com programações diferentes. José Lourenço, que viria a ser eleito presidente do Sport dois anos depois, vislumbrou um grande evento, que de fato veio a acontecer, garantindo pagar com seu patrimônio eventuais prejuízos.

Filho de José Lourenço, o também ex-presidente do Sport Arsênio Meira de Vasconcellos sabe de cor esta história e a relembra com orgulho. "Meu pai assumiu os riscos, e vieram ao Recife o Flamengo e o Fluminense disputar o quadrangular com o Sport e o Santa Cruz. Ele fez questão de convidar a CBD, que veio com toda a cúpula. A imprensa também", afirma.

Segundo Arsênio, o pai já pensava na Copa do Mundo de 1950 quando fez o convite. "Isso já era um estudo programado para que essas pessoas vivenciassem no Recife uma disputa esportiva de uma semana."

Como esperado, não houve prejuízos. Pelo contrário. A bilheteria gerou grande lucro, que ficou para investimento do clube. "O Sport teve um lucro fabuloso porque meu pai se responsabilizou apenas pelo prejuízo, mas não pelo lucro, que seria do clube. Naquela época, meu pai também doou uma flotilha inteira de oito barcos para a garagem de remo do Sport, fruto desse quadrangular", relembra Arsênio Meira de Vasconcellos.