Suíça
Atacar pode ser uma ótima idéia

Seleção da Suíça

Análise

A Espanha conquistou a Copa do Mundo de 2010. Mas não de forma invicta. Perdeu logo no jogo de estreia para a Suíça, que mesmo retrancada durante os 90 minutos, conseguiu marcar um gol nos futuros campeões mundiais. Apesar da vitória, os comandados de Ottmar Hitzfeld, o mesmo para esta Copa, não passaram de fase, ficando na terceira posição com quatro pontos. A postura retranqueira dos vermelhos e brancos é tão forte que passaram em branco até contra a frágil seleção de Honduras. Um 0x0 na África que deu calo nos olhos em quem assistiu esta partida.

Ao menos o time terá uma boa novidade para o Brasil. O jovem e talentoso meia-atacante do Bayer de Munique, Xherdan Shaqiri, de 22 anos, é a aposta de Hitzfeld para criar boas situações de gols, desde que tenha atacantes para receber os passes de Shaqiri. Quem também pode auxiliar o jovem meia na armação é o experiente Barnetta, que disputou as duas últimas Copas com a seleção. Nas eliminatórias os suíços se classificaram em primeiro lugar, mas vale ressaltar que o grupo não tinha uma seleção de expressão no futebol. Mas a evolução é incontestável.

Um bom exemplo foi a vitória sobre o Brasil em amistoso realizado no ano passado após o título da Copa das Confederações. No miolo defensivo a experiência é grande. A começar pelo goleiro Diego Benaglio, 30 anos, que também guarda as metas do Wolfsburg-ALE. Na dupla de zaga e nas laterais, bons nomes. Senderos, ex-Milan, Arsenal e atualmente no Valência, é bom nas jogadas aéreas. Djorou, do Hamburgo-ALE, Rodríguez, outro do Wolfsburg e o trintão Lichtsteiner, titular absoluto na Juventus-ITA. Assim a Suíça chega mais uma vez a um Mundial, forte na defesa, e um pouco melhor no meio de campo. No ataque, ainda não tem um nome de destaque desde a aposentadoria de Alexander Frei, no ano passado. Ou seja, eles vão se retrancar outra vez.


Destaque

Xherdan Shaqiri

Xherdan Shaqiri - O meia promissor revelado no Basel-SUI é o grande responsável pela armação de jogadas da Suíça. Tarefa difícil para um jovem de 22 anos. Mas o fato de estar no poderoso Bayer de Munique ao lado de craques como Robben, Ribéry, Muller e Schweinsteiger ajudou no amadurecimento rápido do meia. Ao menos ele terá a companhia de alguém que se mantém calmo boa parte de um jogo, o também meia Tranquillo Barnetta.

Fique de olho

Lichtsteiner

Lichtsteiner - Foi muito importante na campanha da Juventus no título do Italiano. Ao lado de Chiellini, Barzagli (Bonucci) e Peluso conquistaram também o título de melhor defesa do Calcio. Fez gols, marcou bem atrás e venceu a desconfiança dos bianconeri com o seu futebol. Aos 30 anos é um dos bons e experientes jogadores em que Ottmar Hitzfeld confia para surpreender no Brasil.

Treinador

Ottmar Hitzfeld

Ottmar Hitzfeld - O técnico alemão colecionador de títulos chega para a sua segunda copa consecutiva à frente da Suíça. Na África ele fez história ao montar o 'ferrolho suíço' que foi capaz de vencer a futura campeã Espanha na primeira rodada da Copa. A defesa foi tão bem que tomou apenas um gol em três jogos, mas não conseguiu a classificação para a segunda fase. Isso porque o ataque não era tão eficiente quanto a defesa. Agora ele terá um pouco mais de qualidade com a chegada do jovem Shaquiri. Pode parecer pouco para tentar surpreender em uma Copa do Mundo. Mas não se pode duvidar de um multicampeão como Ottmar Hitzfeld. Liga dos Campeões e Mundial de Clubes são algumas conquistas que ele costuma lembrar aos seus comandados para animá-los e ver que nada é impossível.


Time base

4-2-3-1. Fazer o time jogar no ataque é uma das missões mais complicadas para Ottmar Hitzfeld. Os suiços são aficionados pelas táticas defensivas, talvez por isso o técnico resolveu armar a sua seleção com dois jogadores bem abertos, um meia de ligação e dois volantes que sabem sair para o jogo, e se conhecem muito bem, já que Inler e Behrami atuam juntos no Napoli-ITA. Xhaqa, Shaqiri e Barnetta terã a missão de municiar o isolado Drmic no ataque.


Convocados

Goleiros:

Diego Benaglio (Wolfsburg/ALE)
Yann Sommer (Basel)
Roman Buerki (Grasshoppers)

Defensores:

Johan Djourou (Hamburg/ALE)
Michael Lang (Grasshoppers)
Stephan Lichtsteiner (Juventus/ITA)
Ricardo Rodriguez (Wolfsburg/ALE)
Fabian Schaer (Basel)
Philippe Senderos (Valencia/ESP)
Steve von Bergen (Young Boys)
Reto Ziegler (Sassuolo/ITA)

Meio-campistas:

Tranquillo Barnetta (Eintracht Frankfurt/ALE)
Valon Behrami (Napoli/ITA)
Blerim Dzemaili (Napoli/ITA)
Gelson Fernandes (Freiburg/ALE)
Gokhan Inler (Napoli/ITA)
Xherdan Shaqiri (Bayern de Munique/ALE)
Valentin Stocker (Basel)
Granit Xhaka (Borussia Mönchengladbach/ALE)

Atacantes:

Josip Drmic (Nürnberg/ALE)
Mario Gavranovic (Zurich)
Haris Seferovic (Real Socieded/ESP)
Admir Mehmedi (Freiburg/ALE)

História

Perto de sua décima participação em Mundiais, a Suíça reza por resultados melhores em relação as nove participações anteriores. Em 1934 e 1938 chegaram nas quartas de final, mas o regulamento daqueles dois mundiais não era o mesmo de agora. Já entravam nas oitavas de final. Na Copa de 54 sim, chegou às quartas de final depois de passar pela fase de grupos. Aliás a Suíça foi a sede dquele mundial. Perderam para a Áustria, em um jogo que ficou marcado pela grande quantidade de gols marcados. Um 7x5 para os austríacos em pleno estádio Olympique de la Pontaise. Depois disso, os resultados mais expressivos foram em 1994 e em 2006, onde caíram nas oitavas para Espanha e Ucrania respectivamente.

Contra o Brasil

A Suíça enfrentou o Brasil apenas uma vez em Copas. Foi em 50, quando o Brasil sediou a competição. O jogo foi no Pacaembu e terminou empatado por 2x2. Os gols canarinhos foram de Alfredo e Baltazar. O atacante Fatton marcou os gols suíços. A última vez que se enfrentaram foi no amistoso no ano passado, após o título do Brasil na Copa das Confederações. Os comandados de Ottmar Htzfeld venceram a partida por 1x0, gol de Shaqiri.



Palpite: Zebra