Honduras
O objetivo é não ser saco de pancadas outra vez

Seleção de Honduras

Análise

Em sua terceira Copa do Mundo, Honduras ainda não mostrou uma evolução significativa que faça com que mude o rótulo de mera figurante para algo mais evoluido. Mas o grupo no qual está inserido pode dar uma 'forcinha' para que este feito inédito de passar da primeira fase aconteça. Em 1982, primeira vez que disputou uma Copa, a da Espanha, dois empates e uma derrota eliminaram os hondurenhos. Já em 2010, a seleção entrou para a história ao ter no elenco três jogadores da mesma família, os irmãos palacios. Johnne Palacios, o caçula; Wilson Palacios, o do meio e mais famoso; e Jerry Palacios, atacante e mais velho entre os três. Wilson é o mais famoso da turma dos Palacios porque fez a sua carreira em uma das ligas mais fortes do futebol mundial, a Premier League (Campeonato Inglês), onde vestiu as camisas do Birmingham, Wigan,Tottenham, dos brasileiros Paulinho e Sandro (ex-Inter-RS) e atualmente defende o Stoke City.

Mas para o Mundial 2014 a família está desfalcada, por conta da ausência do zagueiro Johnne Palacios. Outras dez mudanças foram feitas pelo técnico Luis Fernando Suárez em relação à seleção que foi ao continente africano. E acreditem, as mudanças deixaram o time ainda mais fraco tecnicamente. Sem poder contar com os artilheiros David Suazo, ex-Inter de Milão, e Carlos Pavón, que se aposentaram, será mais complicado para Los Catrachos aprontarem em nossas terras. Ou não. Há sim uma luz no fim do túnel, vejamos: na fase de grupos estarão ao lado de França, Suíca e Equador. Se conseguirem furar a retranca suiça e vencer na força física os equatorianos, provavelmente irão avançar de fase. Contra a França, não custa nada sonhar com uma zebra no Beira-Rio, não?

Então lembrem dos recentes vexames dados pelos bleus em mundiais. Lembram de Senegal em 2002 e da África do Sul em 2010? Pois é, por mais improvável que seja, os hondurenhos podem ser mais um a fazer os franceses passarem vergonha em Copas do Mundo.


Destaque

Wilson Palacios

Wilson Palacios - O meia e jogador mais promissor da família palacios é quem mais pode tentar salvar os hondurenhos de tomar três surras nesta Copa. Atualmente no Stoke City da Inglaterra, aos 29 anos o jogador ainda é o único de seu país a conseguir atuar em bom nível por uma liga forte da Europa. Desde 2007 no futebol inglês, já vestiu as camisas de Tottenham, Birmingham City e do Wigan.

Fique de olho

Andy Najar

Andy Najar - Fez uma boa olimpíada de Londres em 2012 quando a seleção hondurenha parou nas quartas de final perdendo para o Brasil por 3 a 2. Atualmente defende o Anderlecht da Bélgica, uma das equipes mais forte do país. País esse que vem crescendo na Europa e é cercado de grande expectativa quando ao seu desempenho no Mundial. Najar pode pescar um pouco do talento dos belgas para auxiliar Palacios na seleção hondurenha.

Treinador

Luis Fernando Suárez

Luis Fernando Suárez - O ex-zagueiro está há três anos no comando da seleção de Honduras. Tem o time nas mãos, mas é uma pena que não tenha transformado em uma grande equipe. O entrosamento entre comissão técnica e jogadores quem sabe dê um algo a mais aos hondurenhos. Luis Fernando Suárez é mais um técnico de origem colombiana a tentar fazer história na Copa do Mundo do Brasil.


Time base

4-4-2. Sem muito o que fazer, devido a falta de boas opções, o técnico Luis Fernando Suárez arma a seleção hondurenha no esquema tradicional com duas linhas de quatro. Na defesa a confiança é depositada em Figueroa, do Hull City-ING. No meio de campo, Wilson Palacios é o cabeça pensante da equipe, e na frente, Costly e Bengston serão os responsáveis pelos gols hondurenhos.


Convocados

Goleiros:

Noel Valladares (Olímpia)
Donis Escober (Olímpia)
Luis López (Real España)

Defensores:

Víctor Bernárdez (San Jose Earthquakes/EUA)
Juan Pablo Montes (Motagua)
Bryan Beckeles (Olimpia)
Emilio Izaguirre (Celtic/ESC)
Osman Chávez (Quingdao Jonoon/CHN)
Maynor Figueroa (Hull City/ING)
Arnold Peralta (Rangers/ESC)
Juan Carlos García (Wigan/ING)

Meio-campistas:

Wilson Palacios (Stoke City/ING)
Roger Espinoza (Wigan/ING)
Luis Garrido (Olimpia)
Jorge Claros (sem clube)
Andy Najar (Anderlecht/BEL)
Boniek García (Houston Dynamo/EUA)
Mario Martínez (Real España)
Marvin Chávez (Colorado Rapids/EUA)

Atacantes:

Carlo Costly (Sem clube)
Jerry Bengtson (New England Revolution/EUA)
Rony Martínez (Real Sociedad)
Jerry Palacios (Alajuelense/CRC)

História

Honduras é muito mais conhecida pela goleada história que tomou, do que suas participações em Copas. Na Copa do Mundo da Espanha em 1982, Los Catrachos tomaram um sonoro 10x1 da Hungria, e carregam até hoje a maior goleada em Copas, nas suas próprias costas. Disputaram a sua segunda Copa 28 anos depois da primeira. Em 2010 também não passaram da primeira fase, e conseguiram apenas um empate. Ficou em último no Grupo H, atrás de Suíça, Chile e Espanha, futura campeã.

Contra o Brasil

Nunca enfrentou o Brasil em Copas do Mundo. Mas, neste século, incomodaram e muito os brasileiros. Em 2001 marcaram história ao vencer o Brasil por 2x0 em jogo válido pela Copa América daquele ano. Nas olímpiadas de Londres em 2012 deram trabalho ao Brasil comandado por Mano Menezes, que venceu apertado por 3x2. Mas o último confronto colocou os hondurenhos em seu devido lugar. Uma goleada brasileira por 5x0 em amistoso realizado no ano passado.



Palpite: Zebra