Bósnia e Herzegovina
Dragões querem surpreender na primeira Copa

Seleção d Irã

Análise

República independente desde 1992 com o desmembramento da antinga Iugoslávia, a Bósnia e Herzegovina é única entre as 32 seleções que estreia em copas do mundo. Apesar disso, o país carrega a tradição do futebol dos Balcãs, de muita técnica. Se como uma nação, é a primeira grande competição da Bósnia, boa parte de seus jogadores já tem experiência internacional. Quase todos os convocados atuam em grandes centros da europa, como Itália e Alemanha, por exemplo.

Com a copa é um torneio de tiro curto, a proposta pode mudar, mas o que se viu nas eliminatórias foi uma Bósnia com um futebol bastante ofensivo, tanto que na artilheria do qualificatório europeu ficou em quarto lugar, atrás das potências Alemanha, Holanda e Inglaterra, superando campeões mundiais como França, Itália e Espanha. Foram 30 gols marcados em dez partidas contra Grécia, Liechtenstein, Letônia, Eslováquia e Lituânia. Já no Mundial da África do Sul a seleção bateu na trave. Ficou em segundo lugar no grupo que tinha Espanha e Bélgica. Na repescagem perdeu os dois jogos para Portugal por 1x0.

Como já foi mostrado, o ataque é o ponto forte, comandado por Dzeko e uma dupla de volantes que gosta de chegar à frente para concluir. O que falta ao técnico Safet Susic é um banco mais qualificado. Lesõs mais grave ou suspensões podem atrapalhar os planos dos novatos.


Destaque

Edin Dzeko

Edin Dzeko. Chamou a atenção para o seu futebol quando defendia o Wolfsburg, da Alemanha, entre 2007 e 2011. Neste último ano foi para o Manchester City, da Inglaterra. Se posiciona bem, aproveita a altura para o jogo aéreo e finaliza com competência.

Fique de olho

Tino-Sven Susic

Tino-Sven Susic. Tem apenas 22 anos e é sobrinho do técnico. Mas não se trata de nepotismo. O jovem meia tem futebol para integrar o elenco bósnio e boas chances de aparecer no time titular.

Treinador

Safet Susic

Safet Susic. Como atleta, Safet Susic foi um meia-atacante sempre presente nas seleções da Iugoslávia, país que integrava a Bósnia na época. Disputou as copas de 1982 e 1990. Começou como técnico em 1994 e desde 2009 comanda a seleção de seu país.


Time base

Susic é adepto do futebol ofensivo e arma o time num 4-4-2 clássico com dois volantes e dois meias. O forte do setor de meio é a intensa troca de passes. Ibisevic e Dzeko são os responsáveis para concluir as jogadas.


Convocados

Goleiros:

Asmir Begovic (Stoke City/ING)
Jasmin Fejzic (Aalen/ALE)
Asmir Avdukic (Borac Banja Luka)

Defensores:

Emir Spahic (Bayer Leverkusen/ALE)
Sead Kolasinac (Schalke 04/ALE)
Ermin Bicakcic (Eintracht Braunschweig/ALE)
Ognjen Vranjes (Elazigspor/TUR)
Toni Sunjic (Zorya Lugansk/UCR)
Avdija Vrsajevic (Hajduk Split/CRO)
Mensur Mujdza (Freiburg/ALE)
Muhamed Besic (Ferencvaros/HUN)

Meio-campistas:

Zvjezdan Misimovic (Guizhou Renhe/CHN)
Haris Medunjanin (Gaziantepspor/TUR)
Miralem Pjanic (Roma/ITA)
Sejad Salihovic (Hoffenheim/ALE)
Senad Lulic (Lazio/ITA)
Izet Hajrovic (Galatasaray/TUR)
Senijad Ibricic (Erciyesspor/TUR)
Edin Visca (Istanbul BB/TUR)
Tino Susic (Hajduk Split/CRO)
Anel Hadzic (Sturm Graz/AUT)

Atacantes:

Edin Dzeko (Manchester City/ING)
Vedad Ibisevic (Stuttgart/ALE)

História

A Bósnia e Herzegovina ainda engatinha como seleção de futebol. Desde que ficou indenpendente ainda não conseguira classificação para uma competição internacional. Caiu nas eliminatórias da Eurocopa entre 1996 e 2012. Por isso, a geração que vem ao Brasil já está gravada na história do esporte

Contra o Brasil

Como os bósnios vão para sua primeira competição de seleções, os jogos contra o Brasil aconteceram apenas em amistosos. O primeiro foi em 1996, com vitória brasileira por 2x1. O segundo foi em 2012, ainda sob o comando de Mano Menezes. Nova vitória dos pentacampeões, desta vez por 1x0.



Palpite: Pode surpreender