Argélia
O importante é participar

Seleção da Argélia

Análise

Os argelinos chegam para a sua segunda Copa seguida com poucas perspectivas. Sem tradição no cenário internacional, o objetivo da Argélia é fazer o melhor possível para deixar uma boa impressão no torneio. Para isso vai apostar na força do conjunto. Os africanos não possuem grandes jogadores no elenco, que está praticamente renovado em relação ao último Mundial. Apenas onze dos convocados pelo técnico bósnio Vahid Halilhodzic jogaram a Copa de 2010, na África do Sul.

A juventude, porém, pode ser uma arma dos argelinos. Os principais jogadores do time têm menos de 25 anos e podem ser utéis no esquema de contra-ataque, possível estratégia da Argélia. O destaque é o meia-atacante Sofiane Feghouli, do Valencia, da Espanha. Além dele, podem chamar a atenção na equipe da África os meias Nabil Bentakeb, do Tottenham, da Inglaterra, e Saphir Taider, da Internaziole, Itália. O trio é a esperança da Árgelia para não fazer feio na fase de grupos, mesmo em uma chave que não possui campeões mundiais.

Todavia, a pouca idade tem o seu custo. O time sem experiência da Argélia pode ser presa fácil contra equipes mais rodada no cenário internacional, como Bélgica, Rússia e Coreia do Sul. A defesa argelina também preocupa, principalmente por conta da falta de coesão do conjunto africano. Halihodzic terá trabalho até a estreia na Copa, contra o forte ataque da Bélgica. A missão é ingrata. Se a Argélia sair do Mundial do Brasil sem a pior campanha da competição já pode comemorar.


Destaque

Feghouli

Feghouli. O meia do Valencia é a grande esperança de classificação da Argélia para a próxima fase da Copa do Mundo. O trunfo do jogador são os chutes de longa distância. Além disso, pode chegar ao ataque com velocidade e surpreender os menos avisados sobre o seu futebol.

Fique de olho

Bentaleb

Bentaleb. O jogador do Tottenham pode não ter a experiência necessária para disputar um Mundial e chamar a responsabilidade. No entanto, possui qualidade para ser um bom coadjuvante no grupo argelino.

Treinador

Vahid Halilhodzic

Vahid Halilhodzic. Seguindo os passos do time, o bósnio Halihodzic também é um 'novato' em Copas como treinador. Isso não significa que seja sem rodagem internacional. A carreira do técnico foi construída praticamente toda na França. Ele também comandou a Costa do Marfim.


Time base

A Argélia costuma atuar em um 4-5-1 bem fechado tentando explorar os contra-ataques. Bentaleb, Taider e Feghouli são os principais articulares da equipe. Slimani é a referência no ataque.


Convocados

Goleiros:

Mohamed Lamine Zemmamouche (USM Alger)
Raïs M’Bolhi (CSKA Sofia/BUL)
Cédric Si Mohamed (CS Constantine)

Defensores:

Carl Medjani (Valenciennes/FRA)
Aïssa Mandi (Reims/FRA)
Madjid Bougherra (Lekhwiya)
Faouzi Ghoulam (Napoli/ITA)
Rafik Halliche (Académica de Coimbra/POR)
Essaïd Belkalem (Watford/ING)
Liassine Cadamuro (Mallorca/ESP)
Djamel Mesbah (Livorno/ITA)
Mehdi Mostefa (Ajaccio/FRA)

Meio-campistas:

Saphir Taider (Internazionale/ITA)
Medhi Lacen (Getafe/ESP)
Hassan Yebda (Udinese/ITA)
Yacine Brahimi (Granada/ESP)
Nabil Bentaleb (Tottenham/ING)

Atacantes:

Abdelmoumen Djabou (Club Africain/TUN)
Sofiane Feghouli (Valencia/ESP)
Islam Slimani (Sporting/POR)
Hilal Soudani (Dinamo Zagreb/CRO)
Nabil Ghilas (Porto/POR)
Ryad Mahrez (Leicester City/ING)

História

Essa é a quarta Copa da Argélia, sendo a segunda consecutiva. A melhor campanha foi em 1982, na Espanha, quando ficou em 13º lugar. Fora isso, só participações discretas.

Contra o Brasil

A Seleção Brasileira só encontrou a Argélia uma única vez em Mundiais. Foi na Copa de 1986, no México. O Brasil ganhou por 1x0 ainda na fase de grupos.



Palpite: Zebra