Grupo H

Bélgica, Argélia, Rússia e Coreia do Sul

É o grupo considerado mais fraco da Copa do Mundo. A Bélgica é a que aparece como seleção de destaque na chave devido aos jogadores de qualidade que possui e pela campanha nas Eliminatórias europeias. Os russos são a segunda força principalmente pela competência do técnico Fábio Capello. Já Coreia do Sul e Argélia serão meros figurantes e brigarão para não saírem do Brasil zerados na pontuação.


O favorito - Bélgica

Foto: Fifa

Depois de aproximadamente quinze anos, os belgas voltam a ter uma boa geração de valores. A Bélgica fez uma campanha invicta nas Eliminatórias da Europa e garantiu a classificação para o Mundial de maneira tranquila. O comando é do técnico Mark Wilmots, que conseguiu aliar o talento de jogadores como Hazard e Fellaini a um esquema competitivo e bonito de ser ver. Tem tudo para ser a 'segunda seleção' dos torcedores na Copa.

Segunda força - Rússia

Foto: Fifa

O técnico italiano Fábio Capello é o grande astro da Rússia. Daí se tira como os russos chegam para a Copa do Mundo: sem um grande astro de destaque e com a valorização do trabalho em equipe. Foi dessa maneira que a seleção conseguiu ficar em primeiro em uma chave de eliminatórias que tinha Portugal. No Mundial, todavia, ficam satisfeitos em passar da primeira fase.

A zebra - Argélia

Foto: Fifa

Os africanos chegam para a segunda Copa do Mundo seguida, o que por si só já é um grande feito visto que a rotatividade dos representantes da África é grande de um Mundial para outro. A verdade é que a Argélia vem ao Brasil com uma única missão: não fazer feio. Se conseguir uma vitória, pode voltar para casa satisfeita. Classificação, só em um milagre.


O jogo - Bélgica x Rússia, 22 de junho, Maracanã, Rio de Janeiro

Não é um dos jogos mais atrativos da primeira fase, mas é o que deve decidir o primeiro colocado da chave. Vai atrair a atenção principalmente dos representantes do Grupo G, que cruza com o H nas oitavas. Quem perder ficará em segundo e, possivelmente, terá a Alemanha pela frente na segunda fase.


Foto: AFP

O craque - Eden Hazard, Bélgica

O meia do Chelsea é o grande astro da Bélgica. Dos pés deles são esperados os principais passes e gols durante a jornada no Mundial. É dotado de muita velocidade e visão de jogo. Além disso, sabe finalizar como poucos. Será o craque do Grupo H.



Fique de olho - Marouane Fellaini, Bélgica

Se Hazard é o astro, Fellaini é o ponto de equilíbrio da Bélgica para este Mundial. O meia do Manchester United marca e sai para o jogo como poucos no futebol internacional. Ele funciona como uma espécie de organizador do meio de campo belga. De vez em quando, aparece na área para fazer alguns gols. É o coadjuvante que toda seleção queria ter.

Foto: AFP


Curiosidade

O técnico da Bélgica, Mark Wilmots, enfrentou o Brasil na Copa de 2002, no Japão e na Coreia do Sul. Jogando pela própria Bélgica, ele encarou a Seleção Brasileira pelas oitavas de finais da competição. O ex-meia chegou até a marcar contra o Brasil, mas o árbitro anulou o gol em decisão considerada polêmica. No final, a equipe verde e amarela venceu por 2x0 e continuou na caminhada rumo ao penta.



A aposta

Bélgica em primeiro e Rússia em segundo.