Grupo F

Argentina, Bósnia, Nigéria e Irã

A Argentina foi o cabeça de chave que levou melhor sorte nas chaves da Copa do Mundo. Não vai enfrentar nenhuma grande força mundial na primeira fase. O confronto mais complicado deve ser contra a Bósnia. A equipe do Leste europeu, por sinal, é o único estreante da competição, mas ainda assim deve brigar pela segunda posição com a Nigéria - que inspira pouca confiança. O Irã é que provavelmente será um mero figurante no Brasil.


O favorito - Argentina

Foto: Fifa

A seleção albiceleste pode não ganhar um título mundial desde 1986, porém chega mais uma vez como favorita para levantar a taça. Os hermanos possuem um elenco recheado de bons jogadores, principalmente do meio para frente. O destaque é, obviamente, Lionel Messi, do Barcelona, que finalmente está conseguindo ser efetivo na seleção nacional. Além dele, Agüero, Hinguaín e di María podem ser decisivos na Argentina.

Segunda força - Bósnia

Foto: Fifa

Apesar de ser estreante em Copas, a Bósnia chega cotada para mostrar um serviço considerável na competição, principalmente pela facilidade do grupo que caiu. É um dos países herdeiros do futebol da antiga Iugoslávia e possui jogadores de qualidade no cenário internacional. Classificou-se em primeiro nas Eliminatórias com méritos. O grande destaque é o atacante Edin Dzeko, do Manchester City.

A zebra - Irã

Foto: Fifa

É uma das seleções cotadas para a pior campanha do Mundial do Brasil. Os iranianos fazem poucos jogos internacionais e não possuem uma grande estrela no cenário global. O grande mérito recente foi ter ficado na frente da Coreia do Sul nas Eliminatórias asiáticas, o que não é lá um grande feito.


O jogo - Argentina x Bósnia, 15 de junho, Maracanã, Rio de Janeiro

Por mais que a Argentina seja favorita absoluta no grupo, é importante não cochilar com o futebol da Bósnia, que teve um dos melhores ataques da Eliminatórias europeias, com 30 gols. Um tropeço dos hermanos pode abrir espaço para uma surpresa na disputa pelo primeiro lugar no Grupo F.


Foto: AFP

O craque - Lionel Messi, Argentina

Eleito o melhor do mundo pela Fifa em quatro anos seguidos (de 2009 a 2012), o atacante do Barcelona dispensa elogios. Dotado de técnica para decidir um jogo sozinho, Messi é a maior esperança da Argentina na Copa do Mundo. Diferente de outros Mundiais, ele chega para a competição praticamente no mesmo nível que atua no seu clube. Com o técnico Sabella, Messi encontrou seu real futebol com a camisa da Argentina, o que é um perigo para os adversários.



Fique de olho - Edin Dzeko, Bósnia

O atacante do Manchester City é um dos melhores jogadores do mundo na posição. Com espaço, não costuma perdoar nem pelo ar nem com a bola nos pés. Se estiver em grande fase no Mundial, tem tudo para comandar os bósnios rumo à próxima fase.

Foto: Fifa


Curiosidade

Terra do Papa Francisco, líder da Igreja Católica, a Argentina caiu em um grupo de países muçulmanos. O islamismo é a religião predominante na Nigégia, na Bósnia e no Irã.



A aposta

Argentina em primeiro e Bósnia em segundo.